Já ouviu falar em fagofobia?

0

Especialista em emagrecimento, Edivana Poltronieri, explica como ocorre este transtorno alimentar e relata drama pessoal

Empresária capixaba respeitada no mercado por criar empresa que ensina como aderir a um estilo de vida saudável e que já mudou a vida de milhares de mulheres no Brasil, Edivana Poltronieri, precisou estudar sobre fagofobia após a doença atingir sua filha de 11 anos, Valentina. “Depois de anos estudando fórmulas que ajudassem as pessoas a terem um bom relacionamento com a comida, ano passado a pandemia fez a minha família se deparar com a fagofobia, um disturbio até então desconhecido para nós”, relata Poltronieri.

O que é fagofobia?

transtorno, chamado de fagobia, é uma condição psiquiátrica associada à ansiedade em que a pessoa desenvolve o medo de engolir alimentos sólidos, líquidos e até comprimidos.

Após procurar ajuda médica e estudar mais sobre o assunto, Edivana explica o que pode ser o gatilho para o transtorno. “A doença está associada a traumas, que pode ser divórcio, perda de alguém querido ou pet e situações similares. No caso da minha filha, foi a pandemia. O excesso de informações sobre o coronavírus somado ao medo da morte fez ela desenvolver a doença”, relata.

No entanto, por ser um transtorno pouco falado, Edivana comenta que “o diagnóstico pode ser tardio e levar a outros transtornos alimentares, como a anorexia”.

A fagofobia dentro de casa

“Em novembro de 2020, comecei a perceber que Valentina estava reduzindo a velocidade para engolir e logo pensei que ela estava enrolando para comer. Depois de um tempo, deduzi que o problema poderia ser a comida. Daí, comecei a ver que ela disfarçava para sair da mesa só para cuspir a comida no guardanapo ou no lixo”, relata Edivana.

No caso da Edivana, o que dificultou uma atitude mais urgente foi Valentina não apresentar nenhum problema comportamental, como tristeza ou agressividade. “Não houve mudança em seu comportamento a não ser o alimentar. Valentina continuava brincando, fazendo as tarefas da escola, como se nada estivesse acontecendo”, continua.

Até chegar o diagnóstico, Edivana pressionava a filha para comer. Depois de muita insistência para fazer a filha desabafar sobre o que estava acontecendo, Valentina revelou episódios de engasgos e sensação de sufocamento em algumas refeições, por isso o medo de engolir.

“Tentamos fazê-la enxergar a comida de forma normal, mas quando chegava o momento das refeições, Valentina tremia, ficava em pânico, chorava, suava frio e respirava ofegante. Eu nunca tinha visto a minha filha naquele estado e quando eu pedia explicações, ela só chorava muito”, explica.

O diagnóstico e o tratamento

Depois de tentar resolver o assunto em família, Edivana e o esposo decidiram procurar ajuda médica pediátrica, que logo descartou qualquer problema físico. “Fomos ao otorrinolaringologista, fizemos uma bateria de exames e nada. Por último, recorremos ao psiquiatra que, entre as hipóteses levantadas, listou a fagofobia”, relata a mãe.

Após a confirmação do diagnóstico, além de se desculpar pelas atitudes de pais desesperados, a família precisou ajustar a rotina da filha. “O fato de ela não ir mais para a escola, ficar em isolamento, ter contato com os amigos e familiares apenas pela internet e o excesso de informações da mídia originaram em crises de ansiedade e, consequentemente, a fagofobia. Por ter 11 anos, ela já consegue assimilar a realidade, mas só nos demos conta disso com o transtorno”, diz.

Desde então, Valentina segue fazendo tratamento em casa dentro do seu ritmo. “Para controlar a ansiedade, ela passou a tomar calmantes naturais, fazer exercícios respiratórios e yoga. A gente também evita falar muito de doenças em casa e, em paralelo, fazemos refeições líquidas e fáceis de mastigar, como sopas, verduras, sucos, vitaminas”, comenta a empresária.

O relato de Valentina

“No início do tratamento, eu ainda não conseguia comer. Fiquei vários dias só com sopa e vitaminas. Mas agora já consigo comer arroz, feijão sem ser batido e carne. Ainda demoro muito na mesa. Muitas vezes, todos terminam de comer e eu continuo lá, mas a família respeita muito o meu ritmo e isso me anima para buscar sempre melhorar”, conta a adolescente.

Para Valentina, o mais difícil foi o caminho até o diagnóstico. “Agora que já sei o problema, o mais importante é ter os meus pais me ajudando sem cobranças. O meu conselho para quem tem alguém próximo que sofre com isso é manter a calma e procurar ajuda. Pode ser difícil no começo, mas a descoberta é um alívio para o paciente e a família”, finaliza.

Por: bcbiz Comunicação / Foto Ilustrativa: Freepik

Share.

About Author

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clique nas capas abaixo para acessar o conteúdo digital das edições: