Especialistas questionam o uso do cateter urinário em cirurgias e sugerem novas abordagens

0

O Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP) está divulgando uma matéria sobre novas recomendações para o uso de cateter urinário em cirurgias, voltadas à prevenção de infecções. O artigo da IBSP faz referência a estudos nos Estados Unidos e no Brasil que relatam questões como o uso desnecessário do dispositivo em muitos casos e o desrespeito a protocolos de higiene, expondo pacientes a riscos aumentados de infecção.   

Entre as pesquisas citadas pela IBSP, “um levantamento americano estima que 67% dos problemas urinários em pacientes hospitalizados estão relacionados à presença de cateter (1)” e “uma análise realizada a partir de dados de mais de 700 hospitais nos Estados Unidos sugere que entre 30% e 40% dos pacientes internados fora de unidades de terapia intensiva (UTIs) receberam cateteres urinários sem necessidade clínica (2)”. 

Já um estudo conduzido no Brasil por pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG), que entrevistou e observou 67 profissionais de enfermagem em seis hospitais de ensino de Goiânia/GO, revelou que, apesar do conhecimento teórico sobre os procedimentos corretos para a colocação do cateter, “a execução na prática não seguia à risca os protocolos. A higienização prévia das mãos foi feita por apenas 75% dos atendentes. A limpeza da área de colocação do cateter só foi realizada por 62,5% (3)”. 

Segundo o artigo da IBSP, as novas recomendações foram elaboradas por painéis de especialistas dos EUA, incluindo profissionais de medicina e de enfermagem, e divulgadas no dia 12 de agosto pela revista científica BMJ Quality & Safety. Buscando reduzir a ocorrência de eventos adversos causados pelo uso do cateter urinário, elas “ajudam a delimitar com mais clareza em que tipos de cirurgia o uso de sondas vesicais traz benefícios e aquelas em que o risco não é justificado (4)”, informa o texto. 

A reportagem da IBSP apresenta essas orientações e traz todas as citações e referências aos trabalhos mencionados. Leia em segurancadopaciente.com.br. 

FONTE: Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP)/segurancadopaciente.com.br. Foto: ilustrativa/Can Stock Photo.   

Referências: 

(1) Magill, Shelley S. et al. Multistate Point-Prevalence Survey of Health Care–Associated Infections. The New England journal of medicine 370.13 (2014): 1198–1208. PMC. Web. 15 Aug. 2018.

(2) Greene MT, Fakih MG, Fowler KE, et al. Regional variation in urinary catheter use and catheter-associated urinary tract infection: results from a national collaborative. Infect Control Hosp Epidemiol 2014;35(Suppl 3):S99–S106.

(3) Souza ACS, Tipple AFV, Barbosa JM, Pereira MS, Barreto RASS. Cateterismo urinário: conhecimento e adesão ao controle de infecção pelos profissionais de enfermagem. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2007;9(3):724-3.

(4) Meddings J, Skolarus TA, Fowler KE, et al. Michigan Appropriate Perioperative (MAP) criteria for urinary catheter use in common general and orthopaedic surgeries: results obtained using the RAND/UCLA Appropriateness Method. BMJ Qual Saf Published Online First: 12 August 2018. doi: 10.1136/bmjqs-2018-008025.

Share.

About Author

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clique nas capas abaixo para acessar o conteúdo digital das edições: