Edição 260 – Confira na edição de Janeiro da Revista Nursing Brasil

0

Educação em enfermagem: desafios e possibilidades de caminhos

Eduardo Carvalho de Souza
Graduado em enfermagem pela Universidade Federal do Piauí. Especialista em Educação Permanente em Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

A educação em enfermagem tem sido palco de muitas discussões, especialmente em relação aos esforços para superar a perspectiva tradicional de ensino e ao mesmo avançar como profissão e ciência.

Neste contexto começo parafraseando Paulo Freire, o mesmo aponta que “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção”. Pensando neste sentido, vislumbra-se o quanto esse processo é complexo e ao mesmo tempo desafiador.

Com isso, é necessário pararmos para refletir sobre todo o processo histórico da formação em enfermagem e observarmos toda a conformação que foi sendo construída, descontruída e reconstruída.

Esse processo foi se conformando de acordo com o modelo de atenção à saúde vigente em cada época, sendo que da década de 1990 até os dias atuais ela vem seguindo um direcionamento para as políticas de saúde ligadas ao Sistema Único de Saúde, que inclusive é o maior empregador dos profissionais de enfermagem.

No que concerne ao universo de possibilidades é necessário parar, pensar e refletir tendo em mãos a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, as Diretrizes Curriculares da Enfermagem, os Planos Políticos Pedagógicos, dentre outras legislações e procurar caminhos, sempre levando em consideração o olhar coletivo, a realidade de cada instituição e curso, respeitar as questões singulares e pensar no contexto de saúde da população e do nosso sistema de saúde.

Formar um enfermeiro requer muito mais que ensinar habilidades técnicas e teorias de enfermagem. No atual contexto que vivemos precisamos promover a todos os atores imbuídos nesse processo de ensino e aprendizagem um olhar sensível e crítico, para que possamos formar profissionais comprometidos com a sociedade e com a saúde pública.

É importante destacar que estamos vivendo um tempo difícil, no qual as universidades e a saúde pública vêm sofrendo constantes ameaças e aos poucos estão sendo desmontadas. Nesta situação as perguntas que pairam são: como formar enfermeiro em tempos de crise? Como potencializar a educação em enfermagem?

Não tenho respostas prontas, mas precisamos construir linhas de fuga, que nesta ocasião não representam fugir da situação, mas criar alternativas para se pensar na formação do enfermeiro. Sendo assim, acredita-se que a enfermagem precisa sair um pouco dos muros das universidades e dos locais privilegiados de prática.

Nesta perspectiva, a educação em enfermagem precisa extravasar o universo teórico e proporcionar práticas em que os alunos tenham autonomia e contato com o real, para eles verem, sentirem e refletirem; eles precisam viver e experimentar, eles precisam ter a experiência, serem tocados e atravessados.

Porém, ainda estamos presos na “caixinha”, precisamos apostar numa formação interprofissional. A enfermagem precisa acreditar ou reacreditar que o contato com outros cursos e áreas do conhecimento é necessário para que possamos proporcionar uma atenção integral a todos que necessitem dos nossos cuidados.

Este cuidado, por sua vez, deve estar embasado em princípios éticos e humanos, colaborando com um cuidado clínico que aborde as necessidades de saúde de forma holística. Digo isso não só para formarmos bons profissionais, mas para nos firmarmos como uma profissão capaz de colaborar com uma saúde melhor e com uma sociedade que padece adormecida por dias melhores.

A enfermagem tem um potencial e uma relevância imensurável para a sociedade, porém muitas vezes não é vista e não é lembrada. Para mudarmos o rumo dessa história é imprescindível investir na educação em enfermagem, numa formação inovadora que não padeça, não naturalize e não cristalize seu ensino e mostre o seu valor e sua capacidade de fazer a diferença para a saúde das pessoas e para saúde pública.

Capa da Revista Nursing Edição 260

Capa da Revista Nursing Edição 260

Share.

About Author

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clique nas capas abaixo para acessar o conteúdo digital das edições: