Revista Nursing

DHL entrega mais de 1 bilhão de doses da vacina contra a COVID-19 no mundo

A COVID-19 se tornou a maior crise mundial de saúde em um século. Governos, ONGs e autoridades públicas têm se concentrado em conter o vírus, acelerando os programas de vacinação para manter as populações seguras e garantir que as economias se recuperem rapidamente. Desde que foi iniciada a campanha global de vacinação, em dezembro de 2020, a DHL distribuiu com segurança mais de 1 bilhão de doses da vacina contra a COVID-19 para mais de 160 países, desempenhando um papel fundamental na operacionalização da vacinação em âmbito global.

“Ficamos muito honrados por estarmos fazendo a nossa parte, gerenciando e operando com maestria diferentes tipos de instalações de Supply Chain, sem interrupções na cadeia fria e sem incidentes de segurança. Estamos trabalhando em vários tipos de instalações da cadeia de suprimentos e gerenciando distribuições diretas em alguns países. Implementamos novos serviços dedicados e confiáveis em uma velocidade bastante acelerada para enviar vacinas altamente sensíveis à temperatura, bem como suprimentos auxiliares e kits de teste. Em linha com nosso propósito de ‘Conectar pessoas e melhorar vidas’, continuaremos disponibilizando ao mundo nossa infraestrutura de cadeia fria, nossa rede global resiliente, nossos profundos conhecimentos de logística farmacêutica e a experiência do nosso pessoal”, disse Katja Busch, Diretora Comercial da DHL.

A campanha global de vacinação representa um instrumento crucial na luta contra o vírus e é essencial para conter o surgimento de novas variantes. Para atingir elevados níveis de imunização, serão necessárias cerca de 10 bilhões de doses de vacina em todo o mundo até o final de 2021. A distribuição global dessas doses é necessária para garantir que o maior número possível de pessoas tenha acesso às vacinas. Além de gerenciar várias instalações complexas da cadeia de suprimentos, os requisitos de sensibilidade à temperatura têm sido um grande desafio para os especialistas em logística.

“Nossa vantagem é que já tínhamos uma rede sofisticada instalada, com a experiência necessária na área da saúde. Isso nos permitiu reagir rapidamente”, explica Claudia Roa, Presidente de Life Sciences & Healthcare da DHL Customer Solutions & Innovation. “Nós entregamos as vacinas em recipientes térmicos equipados com rastreadores de temperatura por GPS de última geração a fim de garantir temperaturas consistentes e fornecer transparência total durante todo o percurso”.

A DHL Global Forwarding e a DHL Express foram encarregadas de transportar as vacinas da COVID-19 em várias rotas da Europa e de outras origens para países da Ásia-Pacífico, América do Sul e Europa. A DHL Supply Chain é responsável pelo armazenamento e a distribuição local adequada das vacinas em vários estados da Alemanha e no Estado de São Paulo no Brasil.

“Fazer a diferença de modo significativo é o que nos motiva, e ficamos muito orgulhosos pela nossa contribuição na enorme tarefa de entregar vacinas da COVID-19 e suprimentos médicos essenciais relacionados nos lugares certos, na hora certa, em todo o mundo”, afirmou Thomas Ellmann, Vice-presidente de Life Sciences & Healthcare da DHL Customer Solutions & Innovation. “A situação atual da COVID-19 demonstra claramente que a colaboração entre governos e ONGs, empresas farmacêuticas, fabricantes de equipamentos médicos e empresas de logística é a única maneira eficaz de combater pandemias, no presente e no futuro.”

Preparação essencial para o futuro

Conforme descrito no estudo da DHL “Revisiting Pandemic Resilience” (em tradução livre, Revisando a Resiliência na Pandemia), a infraestrutura logística e a capacidade criada para a pandemia devem ser mantidas, pois outros 7 a 9 bilhões de doses de vacina serão necessárias anualmente nos próximos anos para manter as taxas de (re)infecção baixas e para diminuir o ritmo das mutações do vírus – sem contar as flutuações sazonais.

Para estar preparado para o futuro, é essencial identificar e prevenir crises de saúde precocemente por meio de parcerias ativas, sistemas de alerta globais expandidos, um plano integrado de prevenção de epidemias e investimentos direcionados em P&D. A DHL também recomenda expandir e institucionalizar a contenção de vírus e contramedidas (por exemplo, rastreamento de contato digital e estoques nacionais) para garantir prontidão estratégica e tempos de resposta mais eficientes. Para facilitar uma implementação rápida de medicamentos (ou seja, diagnósticos, tratamentos e vacinas), os governos e as indústrias devem manter “sempre em prontidão” a capacidade de fabricação, a pesquisa, a produção e os planos de aquisição, além de expandir as capacidades de implantação local.

Por: RPMA Comunicação / Foto Ilustrativa: Pexels